EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Presidenciais França: Os "Helpers" de Macron

Presidenciais França: Os "Helpers" de Macron
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Distribuem lembranças, bandeiras, organizam os eventos, orientam jornalistas.

PUBLICIDADE

Distribuem lembranças, bandeiras, organizam os eventos, orientam jornalistas. São chamados de “Helpers”, os ajudantes. São voluntários que acreditaram no movimento “En Marche” de Emmanuel Macron criado há apenas um ano. Não se dizem militantes, garantem apenas que acreditam numa nova forma fazer política.

“Fazemos este trabalho há meses, recebemos chamadas, emails, todas as pessoas com quem falámos…e agora fomos ouvidos, é muito bom. Espero que dentro de duas semanas tenhamos convencido todos do valor do nosso projeto, não apenas por falta de opções e percebem que Macron representa uma oportunidade para França e para a Europa”, explica Donatella Basdereff. Tem 23 anos, é licenciada em Ciência Política e procura emprego. Nesta campanha é responsável pela comunicação e pelas redes sociais.

No dia seguinte à primeira ronda das presidenciais, o cenário é diferente. Donatella afirma que normalmente não há ninguém, apenas os seguranças, “mas hoje há 40 jornalistas, dois camiões de polícia. O cenário é diferente, passa-se a um novo nível. Mais que nunca é necessário fazer tudo para convencer, responder aos milhares de mails e mensagens que chegaram esta noite”.

Donatella garante que a energia e o empenho vão ser ainda maiores nos próximos quinze dias.
Tudo para que Macron consiga vencer a segunda volta das eleições presidenciais em França.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Macron pede que antissemitismo seja discutido nas escolas após violação de uma jovem judia

Líder da extrema-direita opõe-se ao envio de tropas francesas para a Ucrânia

Francês detido no Irão por participar em protestos após a morte de Mahsa Amini foi libertado