Última hora

Última hora

Transportadoras do Médio Oriente com olhos postos no mundo

Transportadoras do Médio Oriente com olhos postos no mundo
Tamanho do texto Aa Aa

As restrições impostas pela administração norte-americana quanto a viagens e ao transporte de dispositivos eletrónicos no interior de aviões com destino aos Estados Unidos foram um dos temas que dominou a feira Internacional de Turismo no Médio Oriente que termina esta sexta-feira no Dubai.

Continuamos a seguir o nosso plano de expansão

Adel Al Redha Vice-presidente executivo, Emirates

O número de passageiros de voos de longo curso que chegou aos Estados Unidos caiu 4.3% no primeiro trimestre do ano.

A redução foi reconhecida pela Qatar Airways que adiantou que os números ainda não são significativos.

Referindo-se à proibição em curso de transporte de dispositivos eletrónicos, eis o comentário do presidente da transportadora.

“Existem incertezas quanto a certas categorias de passageiros que estão preocupados sobre por que razão não podem levar consigo os seus computadores portáteis. A administração norte-americana criou um problema de perceção relativamente à segurança que, na minha opinião, não era necessário”, adiantou Akbar Al Baker, presidente da companhia.

A maior transportadora do Médio Oriente, a Emirates, registou uma queda de 4,3% no número de passageiros que pretendem voar para os Estados Unidos.

Reagindo à redução, a Emirates anunciou a intenção de diminuir o número de voos para os Estados Unidos e explorar outros destinos de viagem enquanto parte do seu programa de expansão.

“Estamos a voar para 12 destinos nos Estados Unidos. No ano passado transportámos mais de 55 milhões de passageiros. Existe procura elevada e as perspetivas de crescimento são boas. E continuamos a seguir o nosso plano de expansão”, afirmou Adel Al Redha, vice-presidente executivo da Emirates.

Várias companhias aéreas norte-americanas acusam as transportadoras rivais do Médio Oriente de beneficiarem de subsídios estatais para a expansão das suas redes criando assim distorções no mercado. As companhias contudo negam que tal seja verdade.