EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Sobrinha de Marine le Pen vai retirar-se da vida política

Sobrinha de Marine le Pen vai retirar-se da vida política
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Mais uma má notícia para a formação da extrema-direita francesa, Frente Nacional, que tenta reinventar-se depois da derrota de Marine Le Pen nas eleições presidenciais: a sobrinha da líder do partido,

PUBLICIDADE

Mais uma má notícia para a formação da extrema-direita francesa, Frente Nacional, que tenta reinventar-se depois da derrota de Marine Le Pen nas eleições presidenciais: a sobrinha da líder do partido, Marion Maréchal-Le Pen anunciou que não se vai candidatar a um segundo mandato como deputada nas legislativas de junho. A representante da ala mais conservadora da FN avançou “motivos pessoais e políticos”.

A extrema-direita não é a única a sofrer importantes deserções no rescaldo das eleições: o ex-primeiro-ministro do presidente François Hollande, Manuel Valls, afirmou numa entrevista que o Partido Socialista, atualmente no poder, “está morto” e declarou-se pronto a unir-se às fileiras do centrista Emmanuel Macron, vencedor das presidenciais.

Depois de uma reunião do partido para procurar uma estratégia para as legislativas, o porta-voz dos socialistas, Jean-Christophe Cambadelis, afirmava que não pensam que “um único grupo político é capaz de lutar contra a fragmentação a que se assiste no país. A modernidade e a capacidade para ir mais além estão na reflexão e no trabalho com vista às convergências”.

A poucos dias de assumir a chefia do Estado, Macron prepara também o movimento “República em Marcha” para as legislativas e já terá escolhido um primeiro-ministro, mas só deverá anunciá-lo no fim-de-semana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Campos Elísios transformam-se numa enorme mesa de piquenique

Três feridos em ataque à faca no metro de Lyon

Macron desloca-se à Nova Caledónia para tentar pôr termo à violência no arquipélago