Última hora

As duas vidas de João Paulo II

As duas vidas de João Paulo II
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

João Paulo II passaria por uma das maiores provações da sua vida a 13 de maio de 1981. 60 anos depois da primeira aparição de Nossa Senhora aos pastorinhos portugueses, e no momento em que esta era relembrada, em Fátima, o Papa na Praça de São Pedro, no Vaticano, era baleado por um membro de um grupo de extrema-direita. Esteve entre a vida e a morte mas sobreviveu disse, na altura, que graças à proteção de Nossa Senhora de Fátima.

Mehmet Ali Agca, o turco que o baleou ficou detido em Itália. Converteu-se ao catolicismo depois da visita de João Paulo II. Cumpriu mais 10 anos de prisão na Turquia, saiu em 2010.

Cerca de um ano depois, a 12 de maio de 1982, o papa visita o Santuário de Fátima, em Portugal, para agradecer a Nossa Senhora. Durante a procissão das velas, o padre espanhol Juan Fernandez Krohn, que acreditava que João Paulo II era agente secreto da União Soviética, tentou romper a barreira de segurança e matá-lo. A polícia portuguesa evitou o pior.

Foi condenado a seis anos e meio de prisão em Portugal, cumpriu metade. Deixou o Sacerdócio. O Papa perdoou-o. Acabou refugiado na Bélgica.

Pouco falou com os meios de comunicação social desde então. Chegou a admitir sentir-se feliz por não ter matado João Paulo II mas acrescentando não se arrepender de ter tentado fazê-lo.

Em, 1920 Jacinta Marto, uma das pastorinhas de Fátima, profetizava, um atentado contra o Papa. Dizia ter visto “setas, balas, uma língua de fogo e sangue a derramar-se nas vestes do Papa”, relato guardado mais de meio século na Santa Sé.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.