EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Brasil: Temer apanhado em gravação a aprovar subornos

Brasil: Temer apanhado em gravação a aprovar subornos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente brasileiro terá oferecido dinheiro pelo silêncio de Eduardo Cunha em casos comprometedores.

PUBLICIDADE

O presidente do Brasil, Michel Temer, está em muito maus lençóis depois de ter sido apanhado, numa gravação, a autorizar subornos pagos ao antigo presidente da Câmara os Deputados, Eduardo Cunha. A gravação é um golpe para o homem que substituiu Dilma Rousseff na chefia do Estado, depois da destituição.

O escândalo foi revelado pelo jornal O Globo, segundo o qual a gravação foi feita pelos donos da JBS, uma empresa produtora de proteína animal indiciada no processo Lava Jato, tal como Cunha, que acabaria por ser destituído e mais tarde detido. Ele que foi o principal arquiteto do processo de impugnação a Dilma Rousseff. Segundo o artigo, Temer terá oferecido dinheiro pelo silêncio de Cunha em casos comprometedores. Em São Paulo, os opositores ao presidente saíram à rua.

Temer apressou-se a desmentir as notícias avançadas pelo jornal, através de um comunicado oficial. Mas a transcrição da conversa entre o presidente e o patrão da JBS, Joesley Batista, parece comprovar os subornos. O Brasil pode vir a passar por uma situação inédita – um novo processo de destituição do presidente, um ano depois do que afastou Dilma Rousseff do Palácio do Planalto.

Nota Oficial – Presidente defende “ampla e profunda investigação” sobre denúncias https://t.co/KNGm2hgdJMpic.twitter.com/bAFBlnowBM

— Agora No Planalto (@AgoraNoPlanalto) May 18, 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Protestos em São Paulo contra novo projeto de lei sobre o aborto no Brasil

Hajj: peregrinação à cidade santa de Meca pelos muçulmanos

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas