EUA acusam Síria de estar a preparar ataque químico

EUA acusam Síria de estar a preparar ataque químico
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Casa Branca avisou o presidente sírio de que "vai pagar um preço elevado" caso um novo ataque químico ocorra.

PUBLICIDADE

Os Estados Unidos da América asseguraram que o regime de Bashar al-Assad, está a preparar um novo ataque com armas químicas, na base aérea de al-Shayrat, bombardeada pela Força aérea norte-americana, a 7 de abril, como retaliação por um ataque, dias antes, provavelmente com gás sarin.

A Casa Branca avisou, na segunda-feira, o presidente sírio de que “vai pagar um preço elevado” caso um novo ataque químico ocorra.

Nas Nações Unidas, a embaixadora norte-americana estendeu a advertência à Rússia e ao Irão:

“O objetivo é, neste momento, não apenas enviar uma mensagem a Assad mas, também enviar à Rússia e ao Irão uma mensagem de que se isso acontecer de novo, estamos a colocar-vos de sobreaviso. Espero que o aviso do presidente leve a Rússia e o Irão a pensarem de novo”, avisou Nikki Haley.

Any further attacks done to the people of Syria will be blamed on Assad, but also on Russia & Iran who support him killing his own people.

— Nikki Haley (@nikkihaley) June 27, 2017

Moscovo já se pronunciou e considera “inaceitável” qualquer ameaça por parte de Washington contra o “líder legítimo” da Síria e recordou que não houve qualquer investigação internacional imparcial que estabelecesse que o ataque de 4 de abril foi perpetrado pelo regime de Damasco.

De França, saiu o apoio de Emmanuel Macron. O presidente francês afirmou que apoiará a resposta dos Estados Unidos, caso se verifique um ataque com armas químicas na Síria.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos três mortos, entre os quais duas crianças, na explosão de carro armadilhado na Síria

Duas crianças entre os seis mortos após bombardeamentos de Assad em Idlib

Síria: Confrontos em Deir Ezzor deixaram mais de 150 mortos e dezenas de feridos