Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Cardeal George Pell rejeita acusações

Cardeal George Pell rejeita acusações
Tamanho do texto Aa Aa

​Com Lusa

​O cardeal australiano ​*​George Pell​*​, secretário da Economia do Estado do ​*​Vatican​​o*, disse que vai comparecer perante a justiça e que está “inocente” das acusações de pedofilia.

A polícia do Estado australiano de Victoria acusou o cardeal​,​ de ​*​76 anos​*,​ de alegados ​“​crimes de abusos sexuais de menores​”:http://pt.euronews.com/2017/06/29/australia-vaticano-tesoueiro-cardeal-geoge-pell-acusacao-pedofilia

​*​George Pell​*​ tem de comparecer perante o ​*​tribunal​*​ de Melbourne, Austrália, no próximo dia 18 de julho.

Principal conselheiro financeiro do papa Francisco e o mais alto representante da Igreja católica na Austrália, George Pell é o ​*​mais alto membro do Vaticano​*​ a ser formalmente indiciado por crimes relacionados com ​*​abuso sexual de menores​*​.

Entretanto, Greg Burke, porta-voz do Vaticano disse que o papa Francisco autorizou a licença pedida pelo cardeal australiano, mas que George Pell mantém o cargo de máximo responsável pelas Finanças da igreja católica.

Durante vários anos, Pell enfrentou alegações que o acusavam de encobrir abusos cometidos por membros da igreja católica na Austrália, quando era arcebispo de Melbourne e depois em Sidney.

Mais recentemente, Pell tornou-se alvo de investigações da polícia de Victoria que o interrogou no Vaticano, em 2016.

A porta-voz da polícia esclareceu que as acusações contra o cardeal nunca foram julgadas em tribunal e que Pell “tem todo o direito de se defender”.

Dados revelados este ano indicam um “número elevado” de casos de pedofilia que envolvem membros da igreja católica no país e que referem que 7% dos padres australianos estiveram envolvidos em casos de pedofilia “nas últimas décadas”.