Migrações: Amnistia Internacional critica políticas da UE no Mediterrâneo

Migrações: Amnistia Internacional critica políticas da UE no Mediterrâneo
De  Rodrigo Barbosa
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Amnistia Internacional responsabiliza a União Europeia pelo "número crescente de mortes" no Mediterrâneo.

PUBLICIDADE

A Amnistia Internacional responsabiliza a União Europeia pela situação precária dos refugiados nos centros de detenção da Líbia e pelo “número crescente de mortes” de migrantes no Mediterrâneo.

Num relatório com um título sugestivo (“A Tempestade Perfeita: o Fracasso das Políticas Europeia no Mediterrâneo Central”), a ONG destaca os números da Organização Internacional para as Migrações, segundo a qual mais de dois mil migrantes perderam a vida no mar entre o Norte de África e a Europa na primeira metade de 2017. Um balanço que ultrapassará rapidamente o número de mortes registadas na totalidade do ano de 2015.

Segundo a Amnistia Internacional, Bruxelas transfere responsabilidades para as autoridades líbias, sem qualquer garantia sobre o destino dos migrantes. A diretora do gabinete da ONG para a União Europeia, Iverna McGowan, diz que “a situação atual com a guarda-costeira líbia é absolutamente ultrajante. É uma desconsideração que a UE permita certas operações de resgate inadequadas, confiando as vidas de pessoas. Vimos que a guarda-costeira líbia faz um uso inadequado de armas de fogo e não está bem treinada. E o pior é que sabemos que aquelas que são desembarcadas na Líbia, voltam para centros de detenção ilegais, onde enfrentam tortura, violações e outros abusos impensáveis”.

A ONG afirma que se, na segunda metade de 2017, “não forem tomadas medidas urgentes”, reequacionando nomeadamente a colaboração com Tripoli, este ano “ameaça tornar-se no mais mortífero daquela que é a rota de migração mais mortal do mundo”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agricultores polacos bloqueiam centenas de passagens na fronteira ucraniana, Kiev ameaça retaliação

Agricultores checos querem país fora do Pacto Ecológico Europeu

Presidente do Banco Europeu de Investimento: "investimos 49 mil milhões na transição ecológica"