Última hora
This content is not available in your region

Mogherini deveria condenar "injustiça ultrajante na Turquia", diz Amnistia Internacional

Mogherini deveria condenar "injustiça ultrajante na Turquia", diz Amnistia Internacional
Tamanho do texto Aa Aa

A chefe da diplomacia da União Europeia, Federica Mogherini, recebeu o ministro dos Assuntos Europeus turco, Omer Celik, terça-feira, em Bruxelas, duas semanas depois do Parlamento Europeu ter pedido a suspensão formal das negociações de adesão da Turquia ao bloco.

A reunião decorreu, também, no dia em que a Amnistia Internacional (AI) acusou o governo de Ancara de “caça às bruxas com motivação política”, após um tribunal ter decretado a prisão preventiva de um dos seus membros e de outros cinco ativistas de defesa dos direitos humanos.

A AI exige uma clara condenação por parte de Federica Mogherini do que está a acontecer naquele país.

“A União Europeia é muito clara no apoio aos defensores dos direitos humanos, no papel, mas mantém-se bastante silenciosa neste caso”, disse, à euronews, Iverna McGowan, diretora da delegação da AI em Bruxelas.

“Na próxima semana, o ministro dos Negócios Estrangeiros turco vem a Bruxelas, pelo que esperamos que Federica Mogherini fale pública e concretamente contra esta injustiça ultrajante na Turquia”, acrescentou Iverna McGowan.

Sobre as condições para continuar a trabalhar na Turquia, a diretora da AI para a União Europeia disse que “não descansaremos até que os nossos colegas e outros defensores dos direitos humanos sejam libertados mas, face às atuais circunstâncias, vamos rever o esquema de segurança de nosso pessoal local”.

A diretora da AI na Turquia, İdil Eser, é uma das seis pessoas que permanecerão detidas, tendo outras quatro saído em liberdade condicional.

Os dez ativistas, que pertencem a várias organizações, foram detidos a 5 de julho e estão acusados de associação a grupo terrorista.

Os seis defensores dos direitos humanos sob custódia são İdil Eser (Amnistia Internacional), Gunal Kursun (Associação para a Agenda dos Direitos Humanos), Özlem Dalkıran (Assembleia do Cidadão), Veli Acu (Associação para a Agenda dos Direiots Humanos), Ali Gharavi (consultor em segurança de informação) e Peter Steudtner (instrutor em bem-estar e não-violência).

Os quatro defensores dos direitos humanos libertados sob fiança são Nalan Erkem (Assembleia do Cidadão), İlknur Üstün (Coligação das Mulheres), Nejat Taştan (Associação para a Monitorização dos Direitos Iguais) e Şeyhmuz Özbekli (Iniciativa de Direitos).

O presidente da AI na Turquia desde 2014, Taner Kiliç, foi preso a 6 de junho e indiciado, três dias depois, por ser alegado membro da “organização terrorista de Fethullah Gülen”, continuando em prisão preventiva.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.