Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Bruxelas fez ultimato à Polónia por causa da reforma do sistema judicial

Bruxelas fez ultimato à Polónia por causa da reforma do sistema judicial
Tamanho do texto Aa Aa

A Comissão Europeia fez um ultimato à Polónia, ameaçando-a com o início de um procedimento que pode levar a sanções inéditas, caso não suspenda a proposta de reforma do sistema judicial.

Após a reunião colegial, quarta-feira, em Bruxelas, o vice-presidente Frans Timmermans disse que a reforma põe em causa princípios fundamentais da União Europeia.

“Estas leis aumentam consideravelmente a ameaça sistemática ao Estado de direito na Polónia. Cada lei individual, se adotada, vai seriamente corroer a independência do sistema de justiça polaco. Coletivamente, essas leis aboliriam qualquer independência judicial remanescente e colocariam a justiça sob o total controlo político do governo”, explicou, em conferência de imprensa.

“A opção de invocar o artigo 7.º do Tratado da União Europeia tem sido discutida. E não será surpreendente para ninguém que, tendo em conta os últimos desenvolvimentos, estejamos muito perto de invocar o artigo 7.º”, acrescentou Frans Timmermans, que tem a pasta do Estado de direito e Carta Fundamental dos Direitos Humanos.

O artigo 7.º é descrito como a “bomba atómica”, porque pode levar à suspensão do direito de voto da Polónia no Conselho Europeu, que reúne os líderes dos Estados-membros.

O artigo 7.º pode ser acionado “sob proposta fundamentada de um terço dos Estados-membros, do Parlamento Europeu ou da Comissão Europeia”.

Se tiver sido verificada a existência da violação, as deliberações sobre suspensão de direitos são votadas por maioria qualificada no Conselho da União Europeia.

“É uma nova, talvez a última, tentativa para convencer as autoridades polacas a mostrarem maior flexibilidade nessa questão e a tentarem encontrar uma posição em comum com a Comissão Europeia”, disse, à euronews, o analista político Pierre Vimont, do centro de estudos Carnegie Europe.

“Penso que essa é a verdadeira mensagem, por enquanto. Ouvindo com atenção o que disse o vice-presidente Timmermans, na conferência de imprensa, percebe-se que a Comissão ainda vai decidir até onde avançará com o processo”, concluiu o analista.

Na véspera, milhares de pessoas manifestaram-se contra a aprovação desta reforma pelo Parlamento de Varsóvia, dominado pelos nacionalistas conservadores do Partido Lei e Justiça, que lideram o governo.

O executivo argumenta que a reforma é necessária para modernizar o setor e fazer melhor combate à corrupção.