Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Alemanha sanciona Turquia após detenção de ativistas

Alemanha sanciona Turquia após detenção de ativistas
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A Alemanha responde ao que considera ser, “uma violação sistemática do Estado de Direito na Turquia”, com um aviso aos turistas alemães e a ameaça de rever os seus investimentos e da União Europeia no país.

Berlim aconselhou os seus turistas e investidores a redobrarem a vigilância num país considerado “inseguro”, depois da detenção de vários estrangeiros, acusados de ligações ao terrorismo.

Ancara reagiu à “reorientação da política alemã”, a dois meses das legislativas no país, rejeitando o que considera ser uma política de “chantagem e ameaça”.

Para o porta-voz da presidência turca, Ibrahim Kalin:

“Trata-se de um ato desrespeitoso para a Justiça turca. Desrespeitoso contra um país como a Turquia que não vai partilhar a sua soberania e independência com ninguém. Eles vão ter que respeitar a Justiça no nosso país.

Nós condenamos com veemência as declarações de quem diz que os cidadãos alemães não estão seguros na Turquia e que as companhias alemãs na Turquia vão ter problemas”.

Segundo a imprensa alemã, Ancara teria enviado a Berlim uma lista de 68 empresas alemãs suspeitas de ligações a Fetullah Gulen, o clérigo acusado de organizar o golpe militar falhado de Julho do ano passado.

Para o ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Sigmar Gabriel:

“Esperamos um regresso aos valores europeus, ao respeito pela liberdade de opinião, na imprensa e nas artes. Continuamos interessados em manter boas relações com a Turquia. Vamos continuar a ter interesse relações de confiança com o governo turco. Queremos que a Turquia seja uma parte do Ocidente, ou que se mantenha como tal. Mas são preciso duas pessoas para poder dançar um tango”.

O gesto de Berlim ocorre em plena polémica sobre a “purga” levada a cabo pelo governo turco. Entre as mais de 50 mil pessoas detidas nos últimos meses encontram-se nove alemães, entre os quais o jornalista Deniz Yucel e o militante da Amnistia Internacional, Peter Steudtner.

No início da semana a justiça de Ancara tinha confirmado a detenção de Steudtner e de outros cinco militantes dos direitos humanos, como a presidente da Amnistia Internacional na Turquia, Idil Eser, acusados de pertencerem a uma organização terrorista.