EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Bruxelas tolerou o "cartel alemão"?

Bruxelas tolerou o "cartel alemão"?
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Jornal SZ afirma que Daimler teria confessado irregularidades à Comissão Europeia em 2014, dois anos antes da Volkswagen.

PUBLICIDADE

A Comissão Europeia afirma estar a examinar as acusações de práticas anticoncurrenciais por parte dos gigantes da indústria automóvel alemã, reveladas na semana passada na imprensa.

No entanto, segundo o jornal Suddeutsche Zeitung, Bruxelas estaria ao corrente desde há três anos desta situação, sem ter aberto um inquérito.

O jornal indica que a Daimler teria sido a primeira empresa a confessar as irregularidades para tentar evitar uma multa.

O conselho de supervisão da Volkswagen reuniu-se ontem de emergência para analisar a situação, optando pelo silêncio e defendendo a cooperação entre companhias rivais face às acusações.

A empresa teria igualmente confessado a Bruxelas situação de cartel em 2016.

O líder do executivo regional da Baixa Saxónia, Stephan Weil, afirma ainda estar à espera de uma clarificação:

“A questão principal é a de saber se estamos a falar de discussões legais entre concurrentes e acordos entre empresas do setor automóvel, ou, pelo contrário, de um acordo ilícito e restritivo?”.

Segundo a revista Der Spiegel, Volkswagen e Daimler, assim como Audi, Porsche e BMW teriam formado um cartel desde os anos noventa para concertar preços de componentes de automóveis, como os sistemas de redução da poluição dos veículos a gasóleo.

A Comissão Europeia defende-se das acusações de falta de ação, afirmando que várias investigações estão em curso sobre cartéis na indústria automóvel, sem explicitar se visam os gigantes alemães.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Antigo presidente executivo da Audi declara-se culpado no "Dieselgate"

Volkswagen transfere parte da produção para EUA e China devido à guerra na Ucrânia

Incêndio em cargueiro ao largo dos Açores diminui de intensidade