Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Espanha anuncia fecho da central nuclear de Garoña

Espanha anuncia fecho da central nuclear de Garoña
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O Governo espanhol decidiu fechar a central nuclear de Santa Maria Garoña, no município de Burgos. A mais antiga do país, não estava a funcionar há cerca de cinco anos.

A Ordem Ministerial onde será negado o pedido de renovação da autorização de funcionamento da central será assinada “imediatamente”, explicou esta gterça-feira o ministro da Energia, Álvaro Nadal.

O executivo de Madrid tomou esta decisão devido ao impacto escasso desta central no sistema elétrico espanhol e também porque não existem certezas políticas nem económicas que garantam a amortização dos investimentos necessários, devido à oposição da maioria dos grupos parlamentares.


O responsável governamental deixou claro que a decisão tomada não pode ser extrapolada para o resto das centrais nucleares espanholas, avança a agência Efe.

O ministro da Energia recordou que se trata de uma central nuclear antiga — de primeira geração -, não havendo já muitas deste tipo na Europa, com pouca influência no sistema elétrico espanhol, pelo qual o seu encerramento terá um impacto “nulo” no setor e no preço da eletricidade.

A central de Garoña está parada desde 2012 por decisão das empresas proprietárias, Endesa e Iberdrola, que evitaram assim o pagamento de um imposto sobre a energia nuclear.

Álvaro Nadal lamentou que não tenha havido um “debate sossegado” sobre o futuro de Garoña e sublinhou que qualquer central nuclear “necessita estabilidade económica e também política e social” para poder amortizar os investimentos que é necessário realizar.


O Conselho de Segurança Nuclear espanhol aprovou em fevereiro último um parecer favorável à reabertura da central, com uma série de condições, cabendo ao executivo tomar a decisão final.

Os representantes dos trabalhadores da central de Garoña já manifestaram a sua grande preocupação quanto ao futuro dos cerca de 400 postos de trabalho direto e indireto que a unidade garante.

Texto: LusaFPB
Edição: Lusa