Google despede funcionário que defende desigualdade de género

Google despede funcionário que defende desigualdade de género
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O engenheiro James Damore é o autor de um documento de dez páginas.

PUBLICIDADE

Foi despedido o funcionário da Google que defendia a desigualdade de género.

O engenheiro James Damore é o autor de um documento de dez páginas que criticava as ações da gigante tecnológica e defendia que as diferenças biológicas justificam o pouco sucesso das mulheres nas empresas de tecnologia, em Silicon Valley, no estado norte-americano da Califórnia.

“Parece que quando o manifesto saiu, a Google não fez nada. Quando começou a surgir nos blogues técnicos e na imprensa, finalmente, a Google foi forçada a emitir uma resposta. Basicamente, eles não concordam com isso e dizem que a Google apoia a diversidade “, afirma a jornalista da Associated Press Barbara Ortutay.

Num correio eletrónico, enviado aos funcionários, o diretor executivo da Alphabet, a dona da Google, afirmou que o documento constitui uma violação do código de conduta da empresa. Sundar Pichai defendeu a política igualitária da organização e criticou os estereótipos de género.

Read the note to employees from our CEO Sundar Pichai about the memo that was circulated over the past week → https://t.co/wzcNsc5Fshpic.twitter.com/S8dDzJEBQB

— Google (@Google) August 8, 2017

No manifesto, James Damore enumerou as diferenças entre homens e mulheres, afirmando que elas lidam com os problemas mais com sentimentos do que com ideias e que preferem manter bons relacionamentos com as pessoas independentemente das ideias que possam defender.

Segundo a Bloomberg, o engenheiro vai recorrer da decisão da Google, “através de todos os mecanismos legais disponíveis”.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nenhum país do mundo irá atingir igualdade de género até 2030

Responsável pela criação do ChatGPT readmitido pela startup OpenAI

Empresa de Robert de Niro vai pagar por discriminação de género