Venezuela: Assembleia Constituinte toma de assalto o parlamento

Venezuela: Assembleia Constituinte toma de assalto o parlamento
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Guarda Nacional Bolívariana tomou de assalto a sede do parlamento na Venezuela, para instalar a nova Assembleia Constituinte

PUBLICIDADE

A Guarda Nacional Bolívariana tomou de assalto, esta terça-feira, a sede do parlamento na Venezuela, onde se instalou de seguida a nova Assembleia Constituinte Os deputados do parlamento eleito em 2015 foram impedidos de entrar no edifício.

Um dos deputados da oposição, José Guerra, conta que foram apanhados de surpresa:

“Um contigente da guarda nacional, juntamente com a presidente da assembleia constituinte tomou de assalto – literalmente falando, a sede do capitólio federal, onde funciona o parlamento venezuelano. De manhã eles tinham dito que iam sediar a assembleia constituinte no Teatro Municipal de Caracas mas, aparentemente, não cumpriram a palavra e tomaram o Capitólio Federal, que é onde funciona a assembleia nacional eleita pelos venezuelanos no ano 2015. Eleita por 14 milhões de venezuelanos e que é a instituição mais legítima da Venezuela”.

O objetivo dos membros da constituinte é redigir uma nova contituição, refundar o Estado venezuelano, projetos para os quais têm plenos poderes.

A oposição tenciona continuar a lutar, como relata o correspondente da euronews em Caracas, Eduardo Salazar Uribe:

“A oposição venezuelana anunciou que a tomada do edifício legislativo por parte da assembleia constituinte é outra violação clara das leis venezuelanas. Os deputados da oposição dizem que se lhes fôr negado o direito a sentar-se no parlamento, então vão sentar-se nas ruas”.

Legislativo declara desobediência à Assembleia Constituinte na Venezuela https://t.co/SU7738cDhPpic.twitter.com/hCldCbrqmi

— Folha de S.Paulo (@folha) 8 août 2017

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Presidênciais na Venezuela: Maduro, possível candidato