EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

70° aniversário do Paquistão

70° aniversário do Paquistão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Paquistão chega aos 70 anos de existência com uma nova crise política. Desde a independência nenhum primeiro-ministro conseguiu completar o mandato.

PUBLICIDADE

O Paquistão assinalou, esta segunda-feira, os 70 anos de independência do Império Britânico e a separação da Índia, em 1947.

Durante a manhã, 31 salvas de canhão em Islamabade, e 21 em cada uma das capitais provinciais, deram início às cerimónias oficiais.

Numa mensagem ao país, o primeiro-ministro Shahid Khaqan Abbasi, sublinhou a necessidade da união nacional.

A ceremony at the mausoleum of Muhammad Ali Jinnah in Karachi, August 14, 2017. Reuters photos by Akhtar Soomro #Independenceday2017pic.twitter.com/nEOamvUxwk

— Reuters Pakistan (@ReutersPakistan) August 14, 2017

Abbasi foi empossado chefe do Executivo do Paquistão, a 1 de agosto, depois de Nawaz Sharif ter sido afastado pelo Supremo Tribunal, considerando que está envolvido em empresas sediadas em paraísos fiscais e que foram denunciadas pelos documentos publicados na investigação “Panama Papers”.

Já o governador da província de Sindth, Mohammad Zubair, fez questão de evidenciar o desenvolvimento a que o país assistiu nas últimas sete décadas.

O Paquistão chega aos 70 anos de existência com uma nova crise política. Desde a independência nenhum primeiro-ministro conseguiu completar o mandato.

A instabilidade no país persiste, embora a violência islamista tenha diminuído, consideravelmente nos últimos anos, após várias operações militares.

As áreas tribais e o Baluchistão continuam a ser as zonas mais problemáticas.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Paquistão: centenas de pessoas tratadas por insolação durante vaga de calor

Regresso forçado de milhares de afegãos satura fronteira com o Paquistão

Mais de 165 mil afegãos obrigados a abandonar o Paquistão