TPI responsabiliza ex-rebelde islâmico Amad al-Faqi al-Mahdi por danos em templos de Tombuctu no valor de 2,7 milhões de euros

TPI responsabiliza ex-rebelde islâmico Amad al-Faqi al-Mahdi por danos em templos de Tombuctu no valor de 2,7 milhões de euros
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os monumentos datavam do século XIV. Tombuctu faz parte do Património Mundial da Humanidade desde 1988.

PUBLICIDADE

O Tribunal Penal Internacional responsabilizou o ex-rebelde islâmico Amad al-Faqi al-Mahdi por danos causados em vários templos de Tombuctu, no Mali, no valor de 2,7 milhões de euros.

Amad al-Faqi al-Mahdi, antigo membro da milícia tuaregue Ansar Eddine, foi condenado a nove anos de prisão em 2016 por ter participado na destruição de dez templos e sítios religiosos em Tombuctu.

Os monumentos datavam do século XIV e são representativos da época de Ouro do Sufismo, uma corrente mística e contemplativa da religião muçulmana, rejeitada pelos certos grupos extremistas islâmicos.

Em 2012, o grupo extremista islâmico Ansar Eddine já tinha destruído metade dos dezasseis mausoléus sufistas de Tombuctu.

Fundada entre os séculos XI e XII por tribos tuaregues, Tombuctu faz parte do Património Mundial da Humanidade desde 1988.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Extremista do Mali julgado por destruição de património cultural no Tribunal Penal Internacional

ONU abandona Mali no momento em que os Wagner cimentam posição

Família italiana libertada após quase dois anos em cativeiro no Mali