Última hora

Governo sírio apontado por "crimes de guerra" pelo uso de gás sarin

Governo sírio apontado por "crimes de guerra" pelo uso de gás sarin
Tamanho do texto Aa Aa

O regime de Damasco enfrenta acusações de “crime de guerra” por causa de um ataque com gás sarin na localidade síria de Khan Sheikhun – dominada por rebeldes – a 04 de abril deste ano.

Num relatório, divulgado esta quarta-feira, a comissão de inquérito das Nações Unidas sobre a situação dos direitos humanos na Síria recusa a tese de que bombardeamentos aéreos teriam atingido um depósito com munições químicas.

“Reunimos provas significativas incluindo 43 entrevistas com vitimas, testemunhas oculares, socorristas, equipas médicas e pessoas que visitaram o local bem como fotografias de escombros e imagens de satélite. Com base nesta informação concluímos que o ataque químico foi perpetrado por um bombardeiro SU-22 que lançou três bombas convencionais e utilizou gás sarin em Khan Sheikhun”, sublinhou o presidente da Comissão Independente de Inquérito sobre a Síria da ONU, Paulo Pinheiro.

As Nações Unidas referem que pelo menos 83 pessoas perderam a vida no ataque. Entre as vítimas mortais contam-se 28 crianças e 23 mulheres, mas outras fontes falam em pelo menos 87 mortos.

De acordo com médicos no terreno, os sintomas apresentados pelas vítimas são idênticos aos evidenciados por vítimas de um ataque químico.

A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.