EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Tillerson insiste em rever acordo nuclear com Irão

Tillerson insiste em rever acordo nuclear com Irão
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nas Nações Unidas, o presidente Hassan Rouhani tinha já rejeitado completamente as pretensões de Donald Trump de por o velho acordo na gaveta.

PUBLICIDADE

O secretário de Estado norte-americano, Rex Tillerson, está confiante nos esforços para renegociar o acordo com o Irão sobre a energia nuclear, isto apesar da recusa do governo de Teerão em tocar no acordo que foi alcançado, ainda durante a presidência de Barack Obama, entre o Irão e um conjunto de países, que permitiu ao país continuar as atividades de enriquecimento de urânio para fins alegadamente pacíficos.

Nas Nações Unidas, o presidente Hassan Rouhani tinha já rejeitado completamente as pretensões de Donald Trump de por o velho acordo na gaveta: “Acredito que o Irão está a considerar mais seriamente uma nova atitude, contrária ao comportamento anterior, que é o de considerar qualquer entendimento connosco inaceitável”, disse Tillerson.

Já a União Europeia tem uma atitude no extremo oposto à da administração Trump. Para a alta representante da política externa europeia, o Irão está a respeitar o acordo: “Não há necessidade de renegociar partes do acordo, porque o documento diz respeito a um programa nuclear e está a ser respeitado. Todos concordamos sobre o facto de que não está a haver violação e que todos os pontos estão a ser cumpridos”, disse a alta representante da política externa europeia, Federica Mogherini.

O acordo de 2015 prevê várias restrições ao programa nuclear iraniano, em troca de um levantamento das sanções.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Trump: "nós não estávamos em sintonia"

Irão reage à desestabilização americana do acordo nuclear

Kremlin diz que ataque à central nuclear de Zaporíjia é "provocação perigosa" da Ucrânia