EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Até onde pode chegar a AfD?

Até onde pode chegar a AfD?
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A retórica deste partido tem vindo a tornar-se cada vez mais anti-Islão. A postura contra a entrada de refugiados tem-lhe valido mais eleitores.

PUBLICIDADE

Há um partido que está a centrar as atenções nas eleições parlamentares alemãs. E esse partido chama-se AfD ouAlternativa para a Alemanha. O movimento nasceu em 2013, apresentando-se como conservador, eurocético e posicionando-se à direita dos cristãos-democratas de Angela Merkel.

Alexander Gauland, juntamente com Alice Weidel, integra a corrida para o parlamento alemão. Numa das frases mais controversas que se lhe conhece, afirma-se orgulhoso dos “feitos” alcançados pelos soldados alemães durante a Segunda Guerra Mundial.

Outro responsável, Björn Höcke, dirigente da AfD no Estado da Turíngia, apelidou o Memorial do Holocausto em Berlim de “memorial da vergonha”.

No seu programa eleitoral, o partido exige o encerramento imediato das fronteiras para travar a imigração. Desde que a crise dos refugiados começou, a sua retórica tem vindo a tornar-se cada vez mais anti-Islão. A postura contra a entrada de refugiados tem-lhe valido mais eleitores.

Segundo Timo Lochoki, do Fundo Marshall Alemão, “o problema dos refugiados já não é uma questão para os partidos alemães, mas sim para os eleitores alemães. Os eleitores estão à procura de um partido que consiga enfrentar o problema e que leve a sério as inquietações que existem”.

Após o seu surgimento, a AfD começou por opor-se às iniciativas da chanceler para salvar o euro. Em 2014, conseguiu entrar em várias assembleias regionais, assim como no Parlamento Europeu. Depois veio uma viragem ainda mais à direita que cativou mais seguidores.

Mas não é só isso. De acordo com os estudos efetuados pela Fundação Hans-Böckler, a insatisfação geral dos cidadãos desempenha um papel fundamental na equação, assentando no sentimento de perda de controlo do que se passa à volta e de abandono por parte dos políticos.

Segundo os analistas, o eleitorado da AfD reparte-se em duas fações muito distintas: uma maioritariamente masculina, da classe média-baixa; e outra que integra ambos os géneros, da classe média-alta e com percursos escolares sólidos.

Juntos podem fazer com que a AfD se torne na terceira força política do Bundestag.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alemanha goleia Escócia no jogo inaugural do Euro 2024

Chegada da seleção portuguesa deixa centenas em euforia e até houve rancho folclórico

Maximilian Krah expulso: AfD nomeia novo chefe da delegação do Parlamento Europeu