Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Matança de Las Vegas: Stephen Paddock, um reformado insuspeito

Matança de Las Vegas: Stephen Paddock, um reformado insuspeito
Tamanho do texto Aa Aa

Nascido e criado nos Estados Unidos, Stephen Paddock tinha 64 anos e era reformado. Vivia num complexo para pensionistas no estado Nevada, que incluia um campo de golf e um campo de ténis.

Tinha licença de piloto de aviões privados e era um ávido frequentador dos casinos de Las Vegas. Um perfil que de forma alguma deixaria adivinhar que seria capaz de cometer aquele que é descrito pelos media dos Estados Unidos como o maior massacre do género na História do país.

Paddock escolheu atacar quando milhares de pessoas assistiam a um concerto numa zona da cidade de Las Vegas conhecida pelos casinos.

Ter-se-á depois suicidado no quarto do hotel antes da chegada da polícia. Apesar dos jiadistas do autoproclamado Estado Islamico ou Daesh (sigla em língua árabe) terem reclamado responsabilidades no massacre, o FBI diz que Paddock não tem qualquer ligação a redes extremistas internacionais.

Irmão do atacante não encontra explicação para o sucedido

Em entrevista, o irmão, Eric Paddock, disse, que não encontrava explicação para o que aconteceu. Insistiu no facto de que Stephen não demonstrava qualquer interesse por partidos políticos nem por grupos religiosos:

“O que quero dizer é que ele é o que é”, disse aos jornalistas, com quem falou, descalço, na rua.

“Não se encontrava ligado a nada, pelo menos que eu saiba”, continuou, referindo-se ao irmão.

“Ou seja, não se encontrava ligado a qualquer igreja, a nenhuma religião, a nenhum grupo político. É que nem que quisesse inventar. Nada”.

Eric levou depois as mãos à cabeça, interrompendo o discurso.