EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Justiça espanhola suspende sessão do parlamento catalão

Justiça espanhola suspende sessão do parlamento catalão
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Presidente da Generalitat tinha convocado a assembleia para debater as consequências do chamado referendo de autodeterminação.

PUBLICIDADE

O Tribunal Constitucional espanhol suspendeu a sessão plenária do parlamento catalão, prevista para a próxima segunda-feira, para travar uma eventual declaração de independência. O Presidente da Generalitat, Carles Puigdemont, tinha convocado a assembleia para debater os resultados do polémico referendo.

Mariano Rajoy, o presidente do governo espanhol, já tinha vindo clamar um “regresso à legalidade” para evitar “males maiores”.

Recorde-se que Puigdemont fez um apelo televisivo à mediação internacional, sublinhando no entanto que os defensores da autodeterminação estão agora mais perto de alcançar finalmente “um objetivo histórico”.

Nas ruas de Barcelona, o palco principal deste braço de ferro, dois moradores diziam-nos o seguinte: “Isto é como um divórcio. Já não há volta a dar. Não nos podemos divorciar hoje e casar amanhã. É a cartada final”, salientava uma habitante; “estão a esticar demasiado a corda. Os governos espanhol e catalão têm de acalmar as tensões. Têm de alcançar um acordo e dialogar. Não podemos ter um lado a aplicar a lei e outro a seguir por outro caminho. Uma mediação internacional seria o mais acertado”, apontava um homem.

A suspensão da sessão parlamentar terá sido desencadeada por um recurso interposto pelo PSOE catalão. O comunicado do Tribunal justificava-se com a “urgência excecional” do contexto.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Mediação precisa-se para a crise da Catalunha

Ilha de Menorca: aldeia de Binibeca Vell com horário restrito de visitas durante o verão

Reconhecimento do Estado palestiniano é apenas um "pequeno passo", dizem espanhóis