Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mediação precisa-se para a crise da Catalunha

Mediação precisa-se para a crise da Catalunha
Tamanho do texto Aa Aa

Face à perspetiva da independência, muitos catalães começam agora a sair à rua para manifestar o apoio a Espanha e a vontade de permanecer no reino, como ontem ao final do dia, logo após o discurso do chefe do governo catalão.

Os independentistas, esses, mostram-se firmes no propósito de avançarem para uma república catalã.

Carles Puigdemot enviou uma mensagem direta para o rei Felipe VI: “O rei fez o discurso equiparado à políticas de Rajoy que têm sido catastróficas para a Catalunha e ignoram deliberadamente os milhões de catalães que não pensam como eles. Gostaria de dirigir-me diretamente a sua majestade, numa língua que sei que compreende, conhece e fala. “Assim, não”! Nós nunca recebemos nenhuma resposta positiva por parte do estado a qualquer das opções de mediação que temos sobre a mesa neste momento”

Mariano Rajoy tem-se reunido com todas as forças políticas, mas, para o chefe do governo espanhol, a negociação com Puigdemont não é uma opção.

A vice-primeira-ministra Soraya Saenz de Santamaria insiste: “É um dirigente contra a lei, contra as instituições, contra a Europa, contra a maioria dos catalães que ontem ouviram e receberam a mensagem do rei como um bálsamo face a tanta incerteza e a tanto desassossego”.

O parlamento catalão prevê reunir-se na segunda-feira para analisar os resultados do referendo, com vista à proclamação unilateral da independência.

A menos que, até lá, possa instituir-se alguma forma mediação. Várias vozes falam na Igreja, com a possível intervenção dos bispos de Barcelona e Madrid.