Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Missão da ONU para o Haiti deixa o país

Missão da ONU para o Haiti deixa o país
Tamanho do texto Aa Aa

Ao fim de treze anos, a missão das Nações Unidas para a Estabilização do Haiti, MINUSTAH, abandona o país. São 9000 militares e 4000 agentes da polícia que deixam o Haiti depois de terem tentado ajudar a pacificar o país após a violência gerada pela partida do presidente Jean-Bertrand Aristide.

Uma cerimónia, simbólica, que marca o fim da missão, decorreu ao início da manhã na capital haitiana com a presença do presidente do país, Jovenel Moïse, e da responsável pela MINUSTAH, nos últimos quatro anos, Sandra Honoré:

“Há muito por fazer pela estabilidade e desenvolvimento sustentável que todos queremos para o Haiti”, afirmou Honoré.

A missão será substituída por outra, muito mais pequena, a MINUJUSTH, a 16 de outubro. Pouco mais de um milhar de pessoas que ajudarão o governo haitiano a fortalecer as instituições do Estado, apoiarão o desenvolvimento da Polícia Nacional e vão monitorizar os Direitos Humanos no país.

A MINUSTAH nunca teve a confiança dos haitianos. Acusados de violações e roubos, a situação piorou com a chegada das forças de paz nepalesas e de uma epidemia de cólera que matou mais de 10 mil haitianos.