A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

ONU alerta para possibilidade de nova vaga de refugiados Rohingya

ONU alerta para possibilidade de nova vaga de refugiados Rohingya
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

A ONU lança um alerta para a possibilidade de um novo êxodo maciço de refugiados Rohingiya, seis semanas depois da ofensiva do exército birmanês ter obrigado mais de 515 mil pessoas a procurar refúgio no vizinho Bangladesh.

O apelo surge num momento em que as organizações humanitárias internacionais continuam sem autorização para aceder ao estado de Rakhine.

Segundo o Sub-secretário da ONU para as questões humanitárias, Mark Lowcock:

“O acesso de que dispomos deste momento ao estado de Rakhine é inaceitável, especialmente na zona norte do território. Reiteramos o apelo às autoridades do Myanmar para que tomem todas as medidas para permitir que todas as organizações humanitárias, para lá da ONU, possam realizar o seu trabalho”.

Segundo a Organização Internacional para as Migrações, cerca de dois mil refugiados cruzarão diariamente a fronteira com o Bangladesh.

O país vizinho anunciou ontem a criação de um novo campo para acolher mais de 800 mil pessoas, provenientes de 23 instalações sobrelotadas onde se cruzam os mesmos relatos de refugiados.

“Os soldados atacaram a minha mãe. Foi torturada, partiram-lhe um braço com uma espingarda. O meu irmão e a mulher foram mortos”, afirma um refugiado.

“Eles queimaram a nossa casa, mataram pessoas e dispararam contra nós. Sim os massacres continuam neste momento”, afirma uma refugiada.

Os relatos de mais de um milhar de mortos e de centenas de aldeias destruídas, tinham levado a ONU a denunciar uma “limpeza étnica” por parte do exército contra a minoria muçulmana.

As ONGs no Bangladesh evocam uma crise humanitária entre os refugiados, com a desnutrição ameaçar cerca de 281 mil pessoas, entre as quais 145 mil crianças.

O Myanmar afirma estar pronto a implementar um acordo com o Bangladesh, datado de há 24 anos, que prevê o repatriamento de todos os refugiados “confirmados”. O governo birmanês não esconde, no entanto, que o processo será longo.