Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Libertada família refém dos Taliban na fronteira com o Afeganistão

Libertada família refém dos Taliban na fronteira com o Afeganistão
Tamanho do texto Aa Aa

Uma família, originária dos Estados Unidos, mantida como refém desde 2012, foi libertada no Paquistão, depois de uma operação levada a cabo pelas autoridades.

O presidente Donald Trump agradeceu a ação de Islamabad, que definiu como um exemplo do “respeito” que o país recupera em relação aos Estados Unidos da América.

“Quero agradecer ao Governo paquistanês”, disse Trump, em conferência de imprensa. “Trabalharam muito e penso que começam a recuperar o respeito pelos Estados Unidos. É muito importante.”

A operação teve lugar quando dois próximos do presidente dos EUA, o secretário de Estado Rex Tillerson e o secretário da Defesa, James Mattis, preparam uma visita ao Paquistão, com o objetivo de explicar a Islamabad que o alegado apoio a grupos jiadistas deve acabar.

O exército paquistanês disse ter recuperado “cinco reféns ocidentais” – um canadiano, a sua mulher, dos EUA, e os três filhos do casal – todos “nas mãos de terroristas”.

Coube depois ao presidente dos Estados Unidos revelar as identidades das pessoas libertadas: Caitlan Coleman norte-americana, e o marido, o canadiano Joshua Boyle. Os três filhos do casal nasceram durante o cativeiro.

Segundo a agência francesa AFP, o casal terá, no entanto, recusado embarcar no avião dos EUA, pois Joshua Boyle temeria represálias da parte das autoridades norte-americanas por causa de ligações com um antigo detido em Guantanamo, Omar Khadr.

Em 2009, Boyle casou com Zaynab Khadr, a irmã de Omar Khadr, canadiano detido no Paquistão quando tinha apenas 15 anos e que passou algum tempo em Guantanamo. Dois anos depois, casou-se com Caitlan.

Uma viagem pela Ásia Central que terminou com um rapto no Afeganistão

O casal partiu, em 2012, numa viagem cujo objetivo era conhecer diferentes países da Ásia Central durante seis meses – as antigas repúblicas soviéticas – tendo seguido depois para o Afeganistão.

Em território afegão, foram raptados por membros do Taliban e entregues ao grupúsculo aliado Haqqani, no Paquistão. Apareceram num video, gravado em 2016, no qual pediam ajuda a Barack Obama e a Donald Trump, já com duas crianças, nascidas depois da viagem.

As relações entre os EUA e o Paquistão ficaram marcadas por algum distanciamento depois de 2011, quando o então presidente dos EUA, Barack Obama, autorizou uma operação que terá levado à morte de Ossama Bin Laden, na localidade paquistanesa de Abbottabad.

Com AFP