Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Tensão entre EUA e Irão

Tensão entre EUA e Irão
Tamanho do texto Aa Aa

A ameaça de Donald Trump de retirar os Estados Unidos da América do acordo nuclear com o Irão e de impor sanções à Guarda da Revolução da República Islâmica, dominaram as manchetes dos jornais, em Teerão.

As autoridades iranianas defendem que as acusações do presidente norte-americano são infundadas.

“Apesar de todas as alegadas ameaças, o discurso de Trump não mencionou nada de específico, mas uma atmosfera negativa tentando chamar a atenção do mundo para o Irão, para acusações relacionadas a violações dos Direitos Humanos e terrorismo, que acabou por voltar-se contra os Estados Unidos”, assegura Alireza Rahimi, membro da Comissão de Segurança Nacional e Política Externa do Irão

Na declaração, Donald Trump acusou o Irão de violar o acordo de 2015, advertindo os iranianos para a correção de várias “falhas” no documento e acusou o país do Golfo Pérsico de financiar o terrorismo.


Uma iraniana afirma que “temos a menor ligação possível com os Estados Unidos, e se querem sair do acordo, ou colocá-la em perigo, não creio que o acordo e os nossos laços com a Europa possam ser afetados.”

“Trump estava tão enganado ao dizer essas coisas. Ninguém pensa em nós tanto quanto nós, nenhum país se preocupa connosco”, assegura um iraniano.

O presidente iraniano afirmou que o acordo não é negociável. Hassan Rohani criticou as palavras de Donald Trump sobre o programa de mísseis iraniano e assegurou que o objetivo é a defesa do país.

O correspondente da euronews em Teerão, Javad Montazeri, relaque que “o Irão diz não ter intenção de aumentar as tensões e tem afirmado, frequentemente, que não será o primeiro país a violar o acordo. No entanto, a posição das autoridades iranianas, nos últimos dias, mostra que não estão dispostas a negociar o potencial da defesa do Irão e o seu programa de mísseis e que vão mostrar reações sérias a quaisquer possíveis sanções dos Estados Unidos contra a Guarda da Revolução da República Islâmica”.