Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.
Última hora

Editor do jornal Malta Today reage à morte de Daphne Caruana Galizia

Editor do jornal Malta Today reage à morte de Daphne Caruana Galizia
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

Na reação à morte de Daphne Caruana Galizia, o editor do Malta today, um dos jornais com os quais a jornalista colaborava, contou à Euronews que o seu país está em choque. Para Matthew Vellaa, a morte de Daphne Galizia é um tragédia e um dia triste para a democracia.

Testemunho de Matthew Vellaa

“…As pessoas falam sobre ela como uma jornalista controversa, decididamente como uma jornalista destemida e corajosa a maior parte das vezes, imprudente também…Definitivamente ela enfrentou o poder estabelecido. Criou inimizades com diferentes grupos, políticos e não só da sociedade maltesa – em muitos assuntos era uma referência.

Daphne Galizia foi a primeira a investigar os Panama Papers. Depois houve uma serie de casos de difamação e de calúnia contra ela. Um ano depois, continuava a escrever sobre fugas de informação de uma investigação da Unidade de Inteligência Financeira de Malta a um banco privado do país, e sobre casos de suspeitas de suborno e lavagem de dinheiro que envolviam o poder político em Malta. Neste caso, as suspeitas eram tão graves que o primeiro-ministro pediu um inquérito que continua ainda hoje.

Como é que pode acontecer um ataque destes em 2017 numa democracia liberal e num país da União Europeia? Este assassinato levanta questões sobre a cultura da impunidade que algumas vezes não é controlada em Malta, sobre a segurança em Malta e sobre a segurança para os jornalistas. Nunca poderíamos acreditar que uma coisa destas iria acontecer, ao estilo da Máfia a um jornalista – especialmente a um jornalista empenhado que acompanhou grandes histórias. E é esta a impressão com que ficamos – que a Daphne Caruana Galizia talvez tenha sido impedida de começar a investigar mais uma grande história”.