Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Governo de Espanha determinado a suspender autonomia catalã depois de Puigdemont ameaçar avançar com independência

Governo de Espanha determinado a suspender autonomia catalã depois de Puigdemont ameaçar avançar com independência
Tamanho do texto Aa Aa

O governo de Espanha está determinado a suspender a autonomia da Catalunha. Em resposta à carta do presidente do governo regional catalão, Carles Puigdemont, em que este ameaça com um voto no Parlamento regional para declarar a independência da Catalunha, o presidente do executivo em Madrid, Mariano Rajoy, convocou para sábado uma reunião extraordinária para “continuar os trâmites previstos no artigo 155 da Constituição para restaurar a legalidade no autogoverno da Catalunha”. Com esta ferramenta, o governo de Espanha põe fim à autonomia daquela região.


“O Governo usará todos os meios ao seu alcance para restaurar, o quanto antes, a legalidade e a ordem constitucional, recuperar a convivência pacífica entre cidadãos e parar o deterioramento económico que a insegurança jurídica está a provocar na Catalunha”, termina a carta de Madrid.

Na declaração divulgada esta quinta-feira pelo presidente do governo autónomo catalão, dez minutos antes do final do prazo limite estabelecido por Madrid para que Puigdemont clarificasse se proclamou ou não a independência no dia 10 de outubro, o líder catalão reiterou a insistência na via do diálogo e da negociação, lamentando a repressão exercida por Madrid contra a aspiração independentista da Catalunha, agravada com as detenções dos presidentes da Assembleia Nacional Catalã e do Omnium Cultural, Jordi Sánchez e Jordi Cuixart.

Na missiva, Puigdemont ameaça votar formalmente a independência no parlamento regional se Madrid avançar com a suspensão da autonomia regional. “Se o Governo do Estado persiste em impedir o diálogo e continuar a repressão, o parlamento da Catalunha poderá proceder, se estimar oportuno, à votação da declaração formal de independência que não votou no dia 10 de outubro”, sublinha o dirigente catalão.