Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Puigdemont e ex-conselheiros convocados a comparecer perante a justiça espanhola no final desta semana

Puigdemont e ex-conselheiros convocados a comparecer perante a justiça espanhola no final desta semana
Tamanho do texto Aa Aa

A Audiencia Nacional espanhola convocou Carles Puigdemont e os ex-conselheiros a comparecer em Madrid na próxima quinta-feira. O presidente da Generalitat destituído foi chamado pela juiza Carmen Lamela. Com esta decisão, o tribunal espanhol dá provimento à queixa apresentada pela Procuradoria-Geral espanhola, que imputou aos “principais políticos da Generalitat” os crimes de sedição, rebelião e desvio de fundos.

A notícia surge depois no mesmo dia em que Carles Puigdemont deu uma conferencia de imprensa em Bruxelas, onde está nesta altura. Depois de anunciar que o movimento “Juntos Pelo Sim” vai concorrer às eleições regionais convocadas para 21 de dezembro, Carles Puigdemont afirmou: “Exigo um compromisso claro do govenro espanhol para respeitar o resultado eleitoral do 21 de dezembro”. O antigo líder do governo catalão, disse que vai “assumir as eleições convocadas pelo Estado espanhol como um repto democrático”. Recorde-se que o chefe do governo espanhol, Mariano Rajoy convocou na passada sexta-feira eleições antecipadas na Catalunha para 21 de dezembro.

Puigdemont garantiu ainda que “não estou em Bruxelas para pedir asilo político, estou aqui para atuar em liberdade e segurança.” O catalão defendeu ainda que “a Catalunha é um problema europeu e estou em Bruxelas para obrigar a UE a encontrar uma solução”. Além disso, Carles Puigdemont considera ainda que “se tivesse ficado na Catalunha em resistência haveria uma onda de violência” por isso foi para Bruxelas para “acalmar a situação e não contribuiru para essa confrontação e assim poder a agir como governo”.

Puigdemont afirmou também que só regressa a território espanhol, onde está acusado de rebelião, se tiver garantias de que terá “um julgamento justo e respeitador da separação de poderes”.