Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rússia demarca-se de investigação nos Estados Unidos

Rússia demarca-se de investigação nos Estados Unidos
Tamanho do texto Aa Aa

A Rússia demarcou-se dos processos-crime abertos nos Estados Unidos contra indivíduos próximos do presidente dos Estados Unidos por alegada proximidade suspeita a entidades russas e com influência nas presidenciais do ano passado.

“Até agora a Rússia não foi referida nas acusações apresentadas. São outros os países e as pessoas implicadas nas denúncias. Nunca sentimos qualquer culpa para que agora nos sentíssemos exonerados. Não compreendemos as acusações infundadas contra o nosso país e as fantasiosas interferências russas nas eleições americanas”, afirmou o porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov.


As recentes detenções de antigos colaboradores de Donald Trump, entre eles Paul Manafort, um dos diretores da campanha presidencial, por supostas ligações à Rússia, foram minimizadas também pelo responsável pela diplomacia do governo de Vladimir Putin e até utilizadas para sacudir a “água do capote” para o lado da vizinha Ucrânia.

“Acusações sem fundamentos não permitem que quem começou esta confusão faça boa figura. Não sabem como se livrar disto e agora encontraram umas pistas ucranianas relacionadas com o senhor Manafort e alguns dos seus assessores. Mas as pistas ucranianas devem provavelmente ser investigadas através da Ucrânia, que também deve ter algo a dizer sobre o respetivo posicionamento assumido nas presidenciais americanas”, afirmou Sergey Lavrov.