Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Malta não é um paraíso fiscal

Malta não é um paraíso fiscal
Tamanho do texto Aa Aa

À margem da segunda cimeira União Europeia – Mundo Árabe a euronews entrevistou o Primeiro-ministro de Malta. Sobre os Paradise Papers, e a menção de Malta como paraíso fiscal, Joseph Muscat não tem dúvidas:

Joseph Muscat: Rejeito, totalmente, a ideia de que Malta tem algum tipo de leis permissivas. Talvez sejamos bem-sucedidos pelo simples facto de queremos fazer negócios e irmos à procura deles. Vamos à procura do que queremos.

Euronews: Mas Malta é mencionada nos Paradise Papers…

Joseph Muscat – Bem, foi falada porque há algumas empresas que estão abertas em Malta, o que não é segredo, em termos da nossa jurisdição, as empresas podem sediar-se aqui, mas que têm investimentos noutros lugares. Estamos a fazer a nossa parte, porque não há segredos e os jornalistas estão a dizer que estamos a ser acusados talvez de ser muito atrativos, uma acusação que pode recair sobre outras jurisdições europeias, mas não somos, definitivamente, um paraíso fiscal.

Euronews: Portanto há fumo mas não há fogo…

Joseph Muscat: Não, penso que nem sequer há fumo.

Sobre Daphne Caruana Galizia, jornalista ligada à investigação dos Panamá Papers, assassinada em outubro, uma das maiores críticas do governo e que trouxe a lume acusações, e entre outras coisas, de má gestão das verbas públicas, o chefe do executivo maltês prefere falar daquilo que está a ser feito:

Joseph Muscat: É uma questão de princípio, não de querer publicidade gratuita. Para nós é intolerável que uma pessoa seja assassinada no nosso país. Disponibilizámos todos os recursos possíveis para a investigação, para garantir que se vai ao fundo da questão.

Euronews: Já há resultados?

Joseph Muscat: Se eu falasse dos resultados, do progresso que se está a alcançar, estaria a prejudicar a investigação. Fazê-lo cabe aos investigadores… Eu sou a pessoa que quer que a questão seja resolvida rapidamente, porque há acusações, totalmente infundadas, e eu afirmei que estou tão seguro disso, de que não há quaisquer provas de que seja verdade, que me demitiria se as acusações ficassem provadas. E mantenho a minha palavra.