Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Siemens anuncia plano de despedimentos como "terapia de choque"

Siemens anuncia plano de despedimentos como "terapia de choque"
Tamanho do texto Aa Aa

O gigante da indústria alemã Siemens anunciou um novo plano de reestruturação para fazer face à transição das energias fósseis para as energias renováveis.

A empresa pretende despedir 6.900 trabalhadores a partir de 2020, metade dos quais na Alemanha, onde deverão ser encerradas pelo menos duas instalações, com reduções de pessoal em Berlim e Mulheim.

O plano, que visa apenas a atividade energética da companhia, prevê ainda a supressão de 1.100 postos de trabalho na Europa e 1.800 nos Estados Unidos.

O anúncio da Siemens enfrenta a resistência do sindicato alemão IG Metall que promete uma vaga de protestos, sobretudo depois da companhia registar um benefício 6,2 mil milhões de euros este ano.

Trata-se do segundo plano de despedimentos em 4 anos, quando a empresa regista uma queda nas encomendas de turbinas a gás para produção de eletricidade, sem conseguir, por outro lado, desenvolver a sua filial de energia eólica – Siemens-Gamesa – que anunciou igualmente uma redução de 6 mil funcionários face a uma queda nas vendas.

Desde 2013 que a Siemens tenta reorganizar as suas atividades depois de ter cedido as filiais de produção de eletrodomésticos e de telecomunicações, pondo fim também às atividades nos setores da energia nuclear e energia fotovoltaica.