Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Familiares das vítimas pedem prisão perpétua para Mladic

Familiares das vítimas pedem prisão perpétua para Mladic
Tamanho do texto Aa Aa

O veredicto daquele que ficou conhecido como o “Carniceiro dos Balcãs” vai ser pronunciado esta quarta-feira, cinco anos depois de ter começado a ser julgado pelo Tribunal Penal Internacional para a ex-Jugoslávia. A monte durante 16 anos, Ratko Mladic, antigo chefe militar dos sérvios da Bósnia foi detido em 2011, na Sérvia, e extraditado para Haia.

Prisão perpétua é o que pedem os familiares de homens e rapazes mortos pelas forças sérvias da Bósnia no pior massacre da Europa desde a II Guerra Mundial.

“O general Mladic chegou e começou a distribuir chocolate e rebuçados às crianças. Enquanto as câmaras de televisão lá estavam, dizia que nada de mal ia acontecer e que não havia razões para ter medo. Mas quando se foram embora deu ordem para matar, violar e aos que ficaram para fossemos perseguidos e banidos de Srebrenica, para que pudesse fazer uma limpeza étnica” afirma Munira Subasic da Associação Mães de Srebrenica.

A acusação sustenta que foram cometidos vários crimes na tentativa de transformar os enclaves de Srebrenica e Zepa, no leste da Bósnia, em zonas sérvias etnicamente puras. Um episódio que remonta a julho de 1995 e que a família de Enisa Podzic tem ainda bem presente.

“Maldic matou muitas pessoas em Zepa e em Srebrenica, entre eles o meu avô e o meu tio que estão agora enterrados em Potocari (memorial de Srebrenica). Nunca tive a oportunidade de os ver ou conhecer” refere Mujo Podzic, o filho mais novo de Enisa.

Ao fim de todos estes anos, esta família, tal como muitas outras, espera que finalmente seja feita justiça.