Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rohingya: A palavra proibida da visita do Papa ao Myanmar

Rohingya: A palavra proibida da visita do Papa ao Myanmar
Tamanho do texto Aa Aa

O Papa Francisco aterrou, esta segunda-feira, na capital do Myanmar para uma visita de quatro dias dominada pela questão da perseguição da minoria Rohingya no país.

O sumo pontífice foi, no entanto, aconselhado pela igreja católica local a não referir a palavra proibida num país budista onde a minoria muçulmana não é reconhecida como uma comunidade nacional.

Um desafio para o Papa quando reunir-se amanhã com a líder de facto do país, Aung San Suu Kyi e o chefe do exército, Min Aung Hlaing, na quinta-feira.

Em Rangun, o Papa foi acolhido por centenas de milhares de católicos, num país onde a comunidade religiosa representa apenas 1% dos 51 milhões de habitantes.

"A espera foi difícil por causa do calor, mas quando vi o Papa, esqueci tudo e estou muito feliz por finalmente poder vê-lo em carne e osso", afirma Angelina Naw nan Aye.

A visita, a primeira de um Papa ao país, agendada antes da crise humanitária, ocorre dias depois do Myanmar ter chegado a um acordo para repatriar os mais de 600 mil refugiados Rohingya que se escaparam desde Agosto para o Bangladesh.

O líder da igreja católica vai viajar também ao país vizinho, onde está agendado para o dia 1 de Dezembro, o único encontro com membros da comunidade Rohingya durante a viagem oficial.

O Papa tinha já denunciado a perseguição, tortura e assassínio da comunidade religiosa, quando a ONU e os EUA não hesitam em acusar o Myanmar de levar a cabo uma "limpeza étnica" no estado de Rakhine.