Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

'Dia de Raiva' faz pelo menos um morto e 80 feridos

'Dia de Raiva' faz pelo menos um morto e 80 feridos
Tamanho do texto Aa Aa

Pelo menos um morto e mais de 80 feridos é o balanço provisório do 'Dia de Raiva' pedido pelo Hamas contra Israel e os Estados Unidos. Milhares de palestinianos manifestaram-se contra a decisão do presidente norte-americano, Donald Trump, de reconhecer Jerusalém como a capital de Israel e envolveram-se esta sexta-feira em confrontos com o exército israelita.

O líder dos EUA já se defendeu através da rede social Twitter, argumentando que apenas cumpriu uma promessa de campanha igual à dos seus últimos antecessores na presidência (Barack Obama, George W. Bush e Bill Clinton) e que estes não tinham concretizado.

Enquanto os palestinianos atacavam com pedras e pneus em chamas, os israelitas respondiam com balas de borracha, deixando as equipas de assistência médica sem mãos a medir. Um jornalista ficou inclusivamente ferido nestes confrontos.

Nablus, Ramallah e Gaza foram os principais focos de tensão ao longo de sexta-feira. No entanto, os protestos foram além-fronteiras e também se fizeram ouvir um pouco por todo o mundo árabe, sobretudo no Irão, no Egito e na Jordânia.

O Hamas já apelou a uma nova intifada contra Israel, doze anos depois do fim da última grande revolta palestiniana. Entre 2000 e 2005 milhares de palestinianos e pelo menos mil israelitas perderam a vida em combate.

Agora, paira de novo a incerteza sobre o futuro do processo de paz na região, apesar de a Casa Branca já ter reiterado o seu empenho e compromisso para chegar a um acordo. Contudo, os Estados Unidos estão sob fortes críticas, não somente do mundo árabe e comunidade muçulmana, mas também de diversos aliados.