Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Mundo árabe protesta contra reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel

Mundo árabe protesta contra reconhecimento de Jerusalém como capital de Israel
Tamanho do texto Aa Aa

Foi com a queima da bandeira norte-americana que, na Cisjordânia, a decisão dos Estados Unidos de reconhecerem Jerusalém como capital de Israel foi recebida.

Uma enorme frustração e cólera manifestadas em Gaza e em Ramallah. Em Belém, a árvore de Natal foi mesmo apagada na noite passada.

"O que pedimos agora é que a Autoridade Palestiniana e o presidente Mahmoud Abbas ponham fim a todas as negociações paz com Israel", pede um palestiniano.

Antes mesmo da declaração de Donald Trump já milhares de palestinianos da Faixa de Gaza, furiosos, tinham participado num enorme protesto , queimando bandeiras americanas e gritando "Morte à America" e "Morte a Israel".

Em contraste, o ambiente em Jerusalém é de calma e satisfação. Um residente diz: “Jerusalém sempre foi a capital de Israel. E Israel não precisava de um reconhecimento formal para isso. Contudo, penso que é impressionante que um país tão poderoso como os Estados Unidos e tão próximo de Israel tome a decisão do reconhecimento da capital".

A Jordânia considera “legalmente nula” e uma “violação das resoluções do Conselho de Segurança da ONU” a declaração de reconhecimento feita por Donald Trump. Os mais de cem mil palestinianos refugiados no país mostraram-se chocados com a notícia.

Na Turquia, centenas de pessoas sairam às ruas em protesto, em Ancara e Istambul e o governo considerou a decisão de Donald Trump “irresponsável”.