Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Israel tenta vencer "resistência" da UE

Israel tenta vencer "resistência" da UE
Tamanho do texto Aa Aa

Face à recente demonstração de apoio norte-americano, a viagem relâmpago de Benjamin Netanyahu a Bruxelas mostra uma assertividade renovada do primeiro-ministro israelita face à União Europeia.

Netanyahu quer vencer a resistência da do bloco europeu em abandonar a tradicional posição diplomática sobre o conflito no Médio Oriente.

O reconhecimento unilateral de Jerusalém como a capital do estado judaico, por parte de Donald Trump, deu novos argumentos a Netanyahu.

“Penso que o que o Presidente Trump fez foi colocar claramente os factos em cima da mesa: a paz baseia-se na realidade, a paz baseia-se no reconhecimento da realidade”, disse Benjamin Netanyahu, na conferência de imprensa, segunda-feira, em Bruxelas.


A União Europeia defende o modelo de dois Estados que se reconhecem mutuamente e que dividem Jerusalém como capital.

Esta solução tem vindo a perder força desde o colapso do acordo de Oslo, a partir de 2000, com a segunda Intifada e a morte do líder palestiniano histórico, Yasser Arafat.

O analista político Marc Pierini, do centro de estudos Carnegie Europe, argumenta que “Israel conhece muito bem a posição europeia mas, atualmente, quer dizer aos europeus que devem despertar e encarar o facto de que realidade é diferente e que se deve passar a outra coisa”.


A União Europeia tem financiado o processo de paz desde 1993, sobretudo ao nível de infra-estruturas palestinianas destruídas durante ações de retaliação israelita, principalmente na Faixa de Gaza.

Mas face à nova postura do aliado transatlântico, o analista Marc Pierini diz que “no que toca à futura atuação da União Europeia, a primeira questão que se coloca é saber se vai conseguir manter-se unida”.

Alguns Estados-membros, sobretudo da Europa Central, estão prontos a analisar uma solução diferente, mesmo que a maioria diga que é preciso apoiar a posição oficial das Nações Unidas de respeitar as fronteiras anteriores à guerra de 1967.