Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Políticas da OMC contestadas em Buenos Aires

Políticas da OMC contestadas em Buenos Aires
Tamanho do texto Aa Aa

Organizações não-governamentais, associações de defesa dos direitos humanos e defensores dos setores da agricultura, pescas e pecuária manifestaram-se, em Buenos Aires, contra as políticas em debate na conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio.

O protesto começou de forma pacífica, mas acabou por terminar em confrontos com a polícia. Várias pessoas foram detidas.

O encontro reúne, desde o início da semana, ministros de cerca de 160 países num luxuoso bairro da capital argentina. Em cima da mesa estão as regras sobre o comércio global que os manifestantes dizem beneficia, apenas, as grandes empresas.

"Não queremos a Organização Mundial do Comércio, não queremos perder a nossa soberania. Queremos ser um povo livre. Não queremos que nos imponham as políticas económicas da fome e da desocupação, nem que os outros nos imponham a sua soberania" refere Nora Cortinas, membro da Linha Fundadora das Mães da Praça de Maio.

"Uma economia mais justa e um planeta sustentável" foi o pedido feito pelos manifestantes, 30 mil segundo os organizadores.

Na primeira sessão da reunião ministerial, a comissária europeia do Comércio defendeu a necessidade de repensar o funcionamento da Organização questionada por países como os Estados Unidos. A intervenção do representante norte-americano ficou marcada por críticas à OMC que acusou de se estar a transformar "numa câmara de resolução de conflitos e a afastar-se da sua missão."

A conferência que decorre, pela primeira, num país sul-americano termina esta quarta-feira.