Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Romenos despedem-se do Rei Miguel

Romenos despedem-se do Rei Miguel
Tamanho do texto Aa Aa

Dezenas de milhares de romenos saíram às ruas de Bucareste para se despedir de Miguel, o último rei do país.

Era uma dos últimas personalidades vivas a ser chefe de Estado durante a II Guerra Mundial - guerra durante a qual mudou de lado - se inicialmente apoiou a Alemanha nazi, passou depois a apoiar os Aliados. Depois da ocupação pelo exército soviético e da instauração do regime comunista, partiu para o exílio.

Ao funeral assistiram cabeças coroadas e candidatos ao trono de vários países, desde o príncipe Carlos de Inglaterra aos Reis da Suécia e aos monarcas eméritos de Espanha, Juan Carlos e Sofia. Portugal esteve representado pelos Duques de Bragança, D. Duarte e D. Isabel.

Mesmo se há poucos defensores da restauração da Monarquia na Roménia, o rei Miguel era muito respeitado pela população. Visto como um símbolo da resistência contra o regime de Ceausescu, nos últimos anos foi também visto como um opositor à classe política que muitos romenos culpam pela corrupção e pela pobreza. Miguel foi Rei por duas vezes: A primeira ainda em criança, antes de o pai, Carlos II, regressar do exílio e a segunda, e a segunda depois da abdicação forçada do pai, em 1940. Carlos II exilou-se em Portugal, onde viria a morrer. Já o rei Miguel coabitou com o regime comunista durante dois anos, mas foi forçado a abdicar e a exilar-se em 1947.