A Euronews deixou de estar acessível no Internet Explorer. Este navegador já não é suportado pela Microsoft, e os mais recentes recursos técnicos do nosso site não podem mais funcionar corretamente. Aconselhamos a utilização de outro navegador, como o Edge, o Google Chrome ou o Mozilla Firefox.
Última hora

Sebastián Piñera, um multimilionário de volta ao poder em Santiago

Sebastián Piñera, um multimilionário de volta ao poder em Santiago
Euronews logo
Tamanho do texto Aa Aa

O antigo presidente Sebastián Piñera venceu as eleições presidenciais chilenas e será o substituto da presidente socialista Michelle Bachelet, confirmando a viragem à direita de vários países Latino-Americanos, embora, no caso de países como o Brasil, a mudança não tenha sido feita por via das urnas.

Segundo a comissão eleitoral chilena, a SERVEL, e de acordo com as atualizações de resultados apresentadas na madrugada de segunda-feira (hora central europeia), Piñera obteve quase 55% dos votos.

Piñera, de 68 anos, líder da coligação de centro-direita Vamos Chile-Amplitud, foi presidente do país sul-americano entre 2010 e 2014. Prometeu trabalhar com a oposição à esquerda neste novo mandato, entre 2018 e 2022.

Esquerda, cujo candidato apoiado por grande dos partidos políticos - ainda que se tenha declarado independente - conseguiu 45,4% dos votos e falou numa "derrota dolorosa," numas das eleições mais renhidas da democracia chilena.

Uma sociedade próspera e conservadora

O Chile é uma das economias mais prósperas da América do Sul e os seus 17 milhões de habitantes gozam de um dos níveis de vida mais elevados da região.

O país, tido como particularmente conservador, foi governado, nos últimos quatro anos, por Michelle Bachelet, a socialista que deu origem a grandes mudanças de natureza social, algumas das quais, particularmente polarizadoras.

Bachellet impulsionou uma série de reformas progressistas, entre as quais a adoção de uma lei que permitiu o casamento homossexual e o aborto, até então proibido. Apesar do bom desempenho económico da economia chilena, a derrota de Guiller é vista como uma reprovação do final do mandato da presidente.

As Américas e a viragem à direita

A vitória de Piñera marca o fim de um ciclo para grande parte da esquerda nas Américas, com a eleição de Trump nos Estados Unidos, e na América Latina em particular. Aconteceu na Argentina, com Maurício Macri, no Brasil, com Michel Temer, e no Perú, com Pedro Pablo Kuczynski.

O caso do Chile destaca pelo facto de que o candidato da direita tenha recebido o apoio da extrema-direita, cujo candidato, José António Kast, conseguiu quase 8% dos votos. Kast não duvidou em reivindicar a herança do ditador Augusto Pinochet, que governou com mão de ferro o Chile entre 1973 e 1990.

Piñera promete um Chile "desenvolvido" para a OCDE

O futuro presidente do Chile estudou em Harvard e fez fortuna ao lançar os primeiros cartões de crédito no país, nos anos 80. De acordo com a revista Forbes, é um dos mil homens mais ricos do mundo - em 745 lugar, com uma fortura superior a 2,5 mil milhões de euros.

A prosperidade nos negócios foi um dos grandes argumentos do candidato conservador para voltar ao poder. Insisitiu na sua falta de experiência política do rival à esquerda, referindo que não tinha passado pela esfera política nem pelo setor empresarial.

O primeiro mandato de Sebastián Piñera ficou marcado por um crescimento económico importante no Chile, sustentado pela subida nos preços do cobre - matéria-prima da qual o país é o primeiro produtor mundial.

Mas o seu mandato ficou também marcado pelos intensos protestos nas ruas das principais cidades chilenas, sobretudo da parte dos estudantes. Muitos analistas consideraram que a resposta do Governo não esteve à altura das expectativas dos universitários.

Piñera promete agora mais diálogo, ao mesmo tempo que lança um objetivo: o de fazer com que o Chile atinga o estatuto de "país desenvolvido" na Organização para o Desenvolvimento e Cooperação na Europa (OCDE).