Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

EUA podem ter danificado reputação como mediador

EUA podem ter danificado reputação como mediador
Tamanho do texto Aa Aa

A embaixadora norte-americana Nickky Haley promete não esquecer o que classificou de “insulto”, apesar do veto dos Estados Unidos ter deitado por terra a resolução do conselho de segurança da ONU que criticava qualquer posição unilateral sobre o estatuto de Jerusalém.

Todos os restantes 14 países votaram a favor do texto, colocando os EUA numa posição desconfortável. Mas será que também danificou profundamente o tradicional estatuto de mediador?


“Os EUA não iriam dar ouvidos às Nações Unidas sobre onde devem ou não colocar uma embaixada. É como aconselhar a França sobre ter a embaixada em Boston. Os EUA sempre deram muita importância a Jerusalém e foram sempre um interlocutor, um mediador”, disse, à euronews, Lenny Ben-David, escritor e ex-diplomata israelita em Washington (EUA).

“Os Estados Unidos votaram, ontem, a favor da violação da lei internacional. Vai mesmo contra a posição de criticar atos de colonização. Mas os EUA disseram que não há lei internacional, que há apenas o apoio que dão a Israel, que é automático e cego. É por isso que os EUA mostraram ao mundo que Israel é mais importante do que defender a justiça ou o direito internacional”, afirmou, por seu lado, o jornalista israelita Gideon Levy, em entrevista à euronews.

Quem de certeza deixou de reconhecer os EUA como mediador é Mahmoud Abbas, presidente da Autoridade Palestiniana, que deverá visitar Bruxelas a 22 de janeiro, em busca do apoio da União Europeia.