Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Rajoy propõe diálogo com condições a uma Catalunha polarizada

Rajoy propõe diálogo com condições a uma Catalunha polarizada
Tamanho do texto Aa Aa

Depois das eleições regionais antecipadas na Catalunha, Espanha parece longe de resolver o impasse que opõe Madrid à Generalitat, o Governo regional.

Se o bloco independentista tem a maioria no parlamento, a verdade é que o partido mais votado é a favor do atual estatuto da Catalunha, o Ciudadanos. 

Os grandes derrotados foram os conservadores do Partido Popular, do presidente do Governo central,  Mariano Rajoy. 

Um diálogo com condições

O líder do Executivo tentou mostrar-se conciliador depois dos resultados e decidiu oferecer diálogo, mas com condições:

"O Governo espanhol deseja expressar a vontade de dar início a um diálogo realista, construtivo e aberto. Mas sempr e de acordo com a lei", disse Rajoy em conferência de imprensa.

Ou seja: Não se fala de independência, como deseja o presidente deposto da Generalitat, Carles Puigdemont. 

Desde Bruxelas, viu como a coligação Junts Per Catalunha conseguiu 34 deputados, sendo a segunda força mais votada, depois do jovem partido liberal Ciudadanos-Ciutadans.

Os liberais do Ciudadanos dizem esperar para ver que alianças se formam no bloco independentista. Só depois, explicou Inès Arrimadas, tomarão decisões. 

Mas uma coisa é certa: os 37 do jovem partido não são suficientes para formar Governo, nem com o apoio de Populares e Socialistas.

Um natal na incerteza

Este vai ser um natal de incerteza para catalães e espanhóis. Algo que se faz sentir no centro de Barcelona:

As pessoas estão um pouco tristes, talvez. Este ano vendeu-se menos. Não sei se é por causa do ambiente, se não há dinheiro, explica Maria Dolores, comerciante de 72 anos, no centro de Barcelona.

"As pessoas têm vontade de festejar. E vão comprado um pouco menos. Mas não nos vamos queixar", continua.

O desafio independentista levado a cabo por Carles Puigdemont, presidente da Generalitat deposto pelo Governo central, têm prejudicado a imagem da Catalunha, considerada como a mais próspera das 17 regiões autónomas espanholas.