Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

Nova troca de prisioneiros entre Kiev e separatistas pró-russos

Nova troca de prisioneiros entre Kiev e separatistas pró-russos
Tamanho do texto Aa Aa

Chegaram ao aeroporto de Kiev, quarta-feira, dezenas de prisioneiros, militares e civis, depois de acordada uma troca de detidos, entre a Ucrânia e os rebeldes separatistas pró-russos. 

Foram recebidos por centenas de pessoas, à medida que as imagens eram transmitidas pelas principais televisões ucranianas.

Alguns passaram quase três anos em cativeiro.

Horas antes, os rebeldes e o Governo ucraniano tinham levado a cabo a troca de mais de 300 prisioneiros, numa das mais importantes operações do género durante quase quatro anos de conflito.

O intercâmbio tem lugar antes das celebrações de ano novo e do Natal Ortodoxo, celebrado a sete de janeiro, é uma das raras ocasiões em que são seguidos os acordos de paz, assinados em fevereiro de 2015.

Um conflito com milhares de mortos

Se a intensidade dos combates tem vindo a reduzir-se, a verdade é que falta ainda encontrar um compromisso político para um conflito que já fez mais de 10 mil mortos.

A operação foi possível depois de complexas negociações, que implicaram o presidente da Federação Russa, Vladimir Putin. De acordo com a Agência France Presse, 73 prisioneiros ucranianos foram trocados por 233 rebeldes, detidos por Kiev.

É o primeiro intercâmbio de prisioneiros em 15 meses e o segundo mais importante desde o início do conflito. A operação foi saudada pela chanceler alemã, Angela Merkel, e pelo presidente francês, Emmanuel Macron, que apelaram a um progresso nas conversações para a paz.

A libertação de prisioneiros é um dos pontos fundamentais dos acordos de paz de Minsk, de fevereiro de 2015, processo que contou com a mediação de Paris e Berlim.

Espera-se que, numa próxima etapa, cerca de 30 prisioneiros em mãos dos separatistas pró-russos sejam libertados. Em troca, as autoridades ucranianas deixarão livres mais de 70 pessoas. A informação é avançada pela AFP, que cita um representante de Kiev nas negociações.