Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

O mundo reage aos protestos dos iranianos

O mundo reage aos protestos dos iranianos
Tamanho do texto Aa Aa

Os protestos dos últimos dias no Irão não passaram despercebidos na Comunidade Internacional. O aliado russo diz que, sejam quais forem os problemas, a ingerência nos assuntos internos do Irão é inaceitável.

Opinião diferente tem pelo menos parte da diáspora persa nos Estados Unidos. Querem uma Administração mais ativa em relação a Teerão.

Na rede social Twitter, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, saudou o povo iraniano, que diz "ser vítima de repressão" e que vive "com fome, de comida e de liberdade". Disse ainda o presidente dos EUA que era "tempo de mudança."

O grande aliado dos Estados Unidos na região está de acordo. O primeiro-ministro israelita diz que os iranianos procuram paz e justiça.

Bemjamin Netanyahu disse que os iranianos eram "corajosos" e que queriam "liberdades fundamentais" e que, infelizmente, muitos países europeus "observavam em silêncio enquanto jovens iranianos eram espancados nas ruas."

A porta-voz da Alta Representante da União Europeia para a Política Externa, Federica Mogherini, informou que Bruxelas "segue de perto os acontecimentos" e que a Comissao Europeia exige ao Governo Iraniano "garantias de que o direito de manifestacao é salvaguardado".