Euronews is no longer accessible on Internet Explorer. This browser is not updated by Microsoft and does not support the last technical evolutions. We encourage you to use another browser, such as Edge, Safari, Google Chrome or Mozilla Firefox.

Última hora

Última hora

União Europeia pressiona Myanmar por causa de jornalistas detidos

União Europeia pressiona Myanmar por causa de jornalistas detidos
Tamanho do texto Aa Aa

A União Europeia está a fazer pressão sobre Myanmar para libertar os dois jornalistas da Reuters detidos pelas autoridades desde 12 de dezembro. Através da declaração de um porta-voz do organismo, a Europa enviou uma mensagem de força à antiga Birmânia.

Wa Lone e Kyaw Soe Oo foram esta quarta-feira formalmente acusados no tribunal de Yangon de violação da Lei de Segredos Oficiais, uma lei da era colonial e que pode ditar até 14 anos de prisão.

Em causa está a alegada posse de documentos secretos que estarão ligados à campanha militar no estado de Rakhine e que obrigou à fuga de mais de 600 mil refugiados Rohingya. Um conflito que os dois jornalistas têm estado a acompanhar e que já foi denunciado pelas Nações Unidas como uma limpeza étnica.

Para os 28 estados-membros, este caso é um teste à transparência das instituições de Myanmar e lembram que a liberdade de imprensa é um dos pilares da democracia.

Além do bloco europeu, também Bill Clinton, antigo presidente dos Estados Unidos da América, condenou já este processo e vincou a necessidade de defender os direitos de Wa Lone e Kyaw Soe Oo.