EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Jornalistas da Reuters já com a família após libertação na antiga Birmânia

Jornalistas da Reuters já com a família após libertação na antiga Birmânia
Direitos de autor عکس از رویترز
Direitos de autor عکس از رویترز
De  Francisco Marques com Reuters
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Wa Lone, de 33 anos, e Kyaw Soe Oo, de 29, foram incluídos num indulto coletivo do Presidente Win Mynt a mais de 6500 presos, mas será suficiente para abafar as crescentes críticas ao país?

PUBLICIDADE

Os dois jornalistas da Reuters condenados a sete anos de prisão em Myanmar por alegada violação de segredos do Estado foram libertados esta terça-feira e já puderam rever as respetivas famílias, sobretudo os filhos, de quem estiveram separados quase um ano e meio.

Wa Lone, de 33 anos, e Kyaw Soe Oo, de 29, foram detidos a 12 de dezembro de 2017, no exterior de um restaurante em Yangon, quando andavam a investigar o suposto massacre nesse mesmo ano de 10 membros da minoria islâmica Roinghya por forças de segurança e civis budistas no estado de Rakhine, no ocidente da antiga Birmânia.

Os dois jornalistas acabaram mesmo condenados em setembro último, após um julgamento que motivou críticas da comunidade internacional e inclusive um apelo do Secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, para a libertação dos jornalistas.

Os advogados de defesa alegaram que a detenção e a condenação fizeram parte de um esquema com o simples objetivo de silenciar os dois jornalistas num caso que vinha a colocar os holofotes de forma negativa sobre Myanmar: a repressão sobre a minoria Roinghya.

O caso levantou muitas dúvidas sobre o processo democrático em curso no país e levantou muitas vozes críticas por parte de diversos líderes internacionais e de organismos de defesa dos direitos humanos.

Um primeiro recurso apresentado pela defesa dos jornalistas foi rejeitado em janeiro por um congénere de Myanmar ao tribunal da Relação em Portugal. A condenação foi, então, reconfirmada.

Um derradeiro recurso para o Supremo Tribunal foi também rejeitado já no final de abril. Mas agora um indulto concedido pelo Presidente do Myanmar, Win Myint, a mais de 6500 presos incluiu também os dois jornalistas.

A libertação foi seguida em direto e muito celebrada na redação da Reuters em Singapura, de onde nos chegaram imagens do momento.

À porta da prisão de onde foram libertados, Wa Lone falou aos jornalistas que o aguardavam e agradeceu "muito" a quem pediu a libertação de ambos nos últimos meses, tanto "dentro da prisão" como "um pouco por todo o mundo."

"Estou muito feliz por poder voltar a ver a minha família e os meus colegas. Quero voltar à minha redação", expressou o mais velho dos dois jornalistas condenados e agora perdoados em Myanmar.

À pergunta sobre o futuro, Wa Lone respondeu de pronto: "sou jornalista e vou continuar a sê-lo."

Wa Lone e Kyaw Soe Oo passaram mais de 500 dias atrás das grades. Desde a primeira hora, declaram-se inocentes e foram sempre defendidos pela agência para a qual trabalham, a Reuters.

Durante o tempo em que estiveram na prisão em Myanmar, o trabalho realizado sobre as operações militares realizadas contra a minoria Roinghya na antiga Birmânia foi alvo de várias distinções incluindo a mais alta distinção na categoria de jornalismo, o prémio Pulitzer.

A violenta repressão sobre os Roinghya, em particular no estado de Rakhine, levou à fuga de mais de 700 mil membros desta minoria muçulmana para o Bangladesh.

As operações de repressão sobre uma minoria a quem é negada o direito de cidadania e posse de bens incluem assassínios impunes, violação de mulheres e inclusive, garantem alguns relatos locais, a imolação de bebés vivos.

Na tentativa de abafar os relatos das atrocidades cometidas, as autoridades viraram-se contra os jornalistas e o caso dos dois elementos afetos à Reuters inflamou ainda mais as críticas internacionais à postura do governo birmanês e da Prémio Nobel da Paz Aung San Suu Kyi.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Homenageado jornalista da Reuters que foi morto no Afeganistão

Justiça do Myanmar rejeita recurso de jornalistas da Reuters

União Europeia pressiona Myanmar por causa de jornalistas detidos