Última hora
This content is not available in your region

Trump provoca indignação mundial

Trump provoca indignação mundial
Tamanho do texto Aa Aa

"É racista, Sr Presidente?", perguntaram os jornalistas ao presidente norte-americano Donald Trump na sexta-feira, após uma homenagem, na Casa Branca, ao líder do movimento pelos direitos civis Martin Luther King.

Sucedem-se as reações internacionais de protesto e indignação, depois de Trump ter chamado "países de merda" ao Haiti, El Salvador e nações africanas.

O presidente venezuelano, Nicolás Maduro, pediu à Aliança Bolivariana para os Povos da América (Alba) que se solidarize com o Haiti e El Salvador.

"É importante que a Alba ratifique a sua solidariedade com os povos agredidos por Trump: Haiti, El Salvador, América Central", disse Maduro, numa reunião do conselho político da organização em Caracas.

Para o presidente venezuelano, "as expressões supremacistas, racistas e fascistas usadas ontem pelo presidente Donald Trump significam que o nosso povo não vale nada. Primeiro vem a palavra de desprezo, depois as ameaças e depois as ações."

Num comunicado oficial divulgado na sexta-feira, o governo do Haiti considerou racistas e inaceitáveis as declarações de Trump.

"O governo haitiano condena com a maior firmeza essas declarações desagradáveis e abjetas que, se provadas, serão inaceitáveis em todos os sentidos porque refletem uma visão simplista e racista completamente equivocada", frisou o executivo de Porto Príncipe.

O ex-primeiro-ministro do Haiti, Laurent Lamothe, escreveu no Twitter que o mundo "é hoje testemunha de um novo mínimo".

No mesmo dia, o governo de El Salvador enviou a Washington uma "nota de protesto" pelas declarações polémicas do presidente norte-americano que, segundo as autoridades locais, ofenderam "a dignidade de El Salvador e de outros países". O ministro dos Negócios Estrangeiros de El Salvador, Hugo Martinez, lembrou a contribuição dos salvadorenhos na reconstrução da cidade norte-americana de Nova Orleães depois do furacão Katrina, em 2005, e a colaboração do país em várias missões de paz.

O presidente salvadorenho Sánchez Cerén juntou a sua voz às condenações: "Enviámos uma carta formal de protesto ao governo dos Estados Unidos, destacando também o valor dos salvadorenhos e lembrando que compatriotas salvadorenhos trabalharam na reconstrução do Pentágono após os infelizes ataques terroristas de 2001."

"Se se confirmarem, estes comentários são escandalosos e vergonhosos por parte do presidente dos Estados Unidos. Lamento, mas a única palavra que se pode usar é racista", comentou entretanto em Genebra o porta-voz do alto comissário para Direitos Humanos da ONU, Rupert Colville.