EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Confrontos em prisão brasileira após chacina em Fortaleza

Imagem de arquivo
Imagem de arquivo
Direitos de autor 
De  Francisco Marques
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Revolta aconteceu na Cadeia Pública de Itapajé, a pouco mais de 120 quilómetros de Fortaleza, terá tido por base uma guerra de fações rivais e pode estar relacionada com a chacina de sábado em Cajazeiras

PUBLICIDADE

Pelo menos 10 pessoas morreram na sequência de um tumulto de prisioneiros na Cadeia Pública de Itapajé, no norte do estado brasileiro do Ceará.

A Secretaria de Justiça do Ceará (Sejus), na origem dos confrontos terá estado uma guerra de grupos rivais que pode estar relacionada com a chacina do passado sábado, em Fortaleza, na qual morreram 14 pessoas.

De acordo com a Polícia Militar, o tumulto começou pelas 08:30 (11:30, hora de Lisboa) e o controlo da cadeia foi recuperado após intervenção de autoridades provenientes de cidades vizinhas como Irauçuba, Uruburetama, Umirim e Itapipoca, que auxiliaram os agentes do Grupo de Operações Regionais.

O presidente do Conselho Penitenciário do Estado do Ceará, Cláudio Justo, afirmou que o conflito na cadeia de Itapajé está relacionado com o massacre da madrugada do passado sábado ocorrido numa festa na discoteca conhecida como Forró do Gago, no bairro de Cajazeiras, na periferia de Fortaleza.

O ataque de sábado terá sido realizado por um grupo de homens armados divididos por três carros, que invadiram o local e dispararam sobre os presentes, incluindo pessoas que estavam no exterior do estabelecimento.

A chacina de sábado está a ser descrita como o pior ataque do género jamais ocorrido no Ceará e os confrontos desta segunda-feira na cadeia de Itapajé pode ter sido uma vingança.

Outras fontes • Estadão, Correio Braziliense, Sejus-CE

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Ceará quer debater segurança após chacinas em guerra de gangues

Brasil: foram chamados para salvar crianças, mas acabaram numa operação de "salvamento" de armas

Cheias no Brasil deixam mais de 100 mortos e milhares de desalojados