EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

As mensagens privadas de Puigdemont

As mensagens privadas de Puigdemont
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Desconhece-se de que forma as mensagens de texto que Carles Puigdemont trocou com um antigo ministro catalão chegaram às mãos de um canal de televisão espanhol

PUBLICIDADE

As mensagens eram privadas, mas já estão a correr o mundo. Um canal de televisão espanhol tornou públicas várias mensagens que o independentista Carles Puigdemont trocou por telemóvel com um antigo ministro catalão.

O ex-presidente do governo regional já confirmou a autenticidade das mesmas.

"Estamos a viver os últimos dias da Republica da Catalunha. O Plano Moncloa - governo espanhol - triunfou. Só espero que seja verdade e que graças a isso possam sair todos da prisão porque, se não, seria um embaraço histórico" refere.

As mensagens trocadas com o ex-conselheiro Toni Comín não ficam por aqui. "Suponho que tens claro que isto está terminado. Os nossos sacrificaram-nos, pelo menos a mim. Vocês serão conselheiros (espero e desejo), mas eu já estou sacrificado, tal como sugeriu Tardá” adianta.

"Não sei como vou viver - e espero viver durante muito tempo - mas vou dedicar a minha vida a por em ordem estes últimos dois anos e a defender a minha reputação. Os rumores, difamações e mentiras provocaram muitos danos. Isto agora acabou e tenho de me dedicar à minha defesa"pode ler-se numa outra mensagem.

Puigdemont fala de uma violação da privacidade e nega que o percurso político tenha chegado ao fim.

"Sou jornalista e sempre entendi que existem limites, como a privacidade, que nunca devem ser violados. Sou humano e também tenho duvidas. Também sou o presidente e não vou recuar. Continuamos!” escreveu no Twitter.

Esta terça-feira, o presidente do parlamento da Catalunha, Roger Torrent, adiou a investidura de Puigdemont como presidente do executivo catalão e prometeu continuar a bater-se pela democracia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O Supremo Tribunal mantém o mandado de captura de Puigdemont após a publicação da lei da amnistia

Carles Puigdemont planeia candidatura à presidência da Catalunha

Milhares em Madrid contra o acordo de amnistia para os separatistas catalães